domingo, 24 de janeiro de 2010

Sucessos e protestos pautam reinvenção de Madonna


Opinião de DVD
Título: Re-Invention World Tour - 2004
Artista: Madonna
Gravadora: Youtube (Fan-made)
Cotação: **** 1/2

Show gravado, porém nunca lançado de forma integral (apenas com algumas imagens editadas no documentário I'm Going to Tell you a Secret), a Re-Invention Tour finalmente viu a luz do dia. Show apresentado por Madonna no ano de 2004 para divulgar o (injustiçado) álbum American Life, a Re-Invention Tour é uma das turnês favoritas dos fãs da cantora pelo mundo afora, pelo fato de enfileirar vários dos maiores sucessos da carreira da rainha do pop. Madonna mostra que sabe como fazer um bom jogo de marketing, já que, na época, não era bem vista aos olhos do público norte americano por ter feito críticas à guerra do Iraque no governo Bush em seu álbum American Life. Os norte americanos apoiavam a guerra, enquanto Madonna nadava contra a maré e criticava não só a guerra ou o governo Bush, mas os próprios norte americanos. A Re-Invention Tour foi a forma que ela encontrou para satisfazer seu público. Vários hits, alguns lados B e poucas canções do último álbum. Mas ainda assim a cantora se mostrou corajosa.

O vídeo de abertura, “The Beast Within”, é uma crítica concisa à guerra, mas que pouco empolgou a mídia ou os próprios fãs da cantora. “Vogue” abriu o show. O sucesso da década de 90 reapareceu com arranjo similar ao da gravação original, em 1990 na trilha sonora de I’m Breathless. O primeiro bloco é composto por canções de pegada pop-eletrônica, como “Nobody Knows Me” (que contou com a voz da cantora alterada) e uma versão pop-dramática de “Frozen”, que fechou o primeiro bloco. O segundo bloco era (como de costume) temático. Madonna retratou a guerra, com direto até a uniforme do exército e gritos injuriados em “American Life”, coreografia de armas em “Express Yourself” e uma guitarra raivosa que pautou “Burning Up” e o sucesso “Meterial Girl” (que apareceu completamente diferente da versão original de 84. A canção surgiu num arranjo roqueiro e pesado). “Hollywood”, de single crítico de American Life, surgiu como um interlude instrumental. Pena. A cantora apresentou um bloco cinematográfico com ar de cabaré francês e de arlequins europeus. Abriu com a divertida “Hanky Panky” (herança também da trilha de I’m Breathless), contou com uma versão jazzy de “Deeper and Deeper” e com apresentação de “Die Another Day” (canção do filme 007 – Um Novo Dia para Morrer) e “Lament” (da trilha do filme Evita), que contou com coreografia cinematográfica, como se a cantora estivesse prestes a ser eletrocutada e fizesse um último lamento. Belíssimo. “Bedtime Story” ressurge das cinzas (foi lançada no álbum Bedtime Stories, de 1994) numa versão remixada para o vídeo que dá espaço para que Madonna e seus dançarinos troquem de roupa e recuperem fôlego. O terceiro bloco do show conta com canções de pegada acústica, como “Nothing Fails”, número no qual Madonna toca violão pela primeira vez no show. “Don’t Tell Me” é a única canção de pegada mais intensa, mas que dá lugar a versão mais simples de “Like a Prayer” e para a acústica “Mother and Father”. Madonna também pede pela paz ao interpretar “Imagine”, o sucesso de John Lennon caiu muito bem na pouca voz da rainha. O último bloco do show é uma homenagem de Madonna ao marido Guy Ritche (que foi quem deu o nome à turnê). “Into the Groove”, por exemplo, ressurge com uma versão que agrega até uma gaita de follen. Vestida a caráter, Madonna ainda atacou de “Papa Don’t Preach”, “Crazy for You” (em homenagem ao marido), “Music” (em versão inferior à apresentada na última turnê, Drowned World Tour) e “Holiday”, que encerra o show de uma forma que só Madonna consegue: magistralmente.

Não é um vídeo oficial e, por ser extraído do material bruto do que seria o DVD oficial, o projeto não tem o tratamento de voz recorrente nos DVD’s de Madonna. Talvez por isso seja tão bom. A Re-Invention Tour passou de uma turnê oculta na carreira da cantora para um dos vídeos mais celebrados pelos fãs da cantora nos últimos tempos. Valeu (e como!).


Um comentário:

Isabel Cristina disse...

Bom Dia, querido!
Seu blog está maravilhoso.
Amei tudo, essa história da Madonna dá um livro!
Fiquei feliz por passar por aqui, assim fiquei ao par das novidades musicais.
Continue sempre assim, com esse carismã, com esse amor pela musica.
Pois tudo que você faz vira magia.
Beijos Mil.

Bel