segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O que foi que aconteceu com a música popular brasileira?


"Ai, ai meu Deus, o que foi que aconteceu com a música popular brasileira?"

Há muito tempo eu faço a mesma pergunta que a vovó Rita Lee faz nos versos da inteligentíssima canção
"Arrombou a Festa". O que diabos aconteceu com a nossa música popular brasileira?
Hoje não se tem mais canções do mesmo teor das compostas por gêneos como Gonzaguinha, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Dorival Caymmi, Dolores Duran, Marina Lima, Rita Lee... esse povo de categoria, entendem?
Hoje as rádios são tomadas por uma baboseira adolescente, canções sem pé, cabeça e, o mais intrigante, sem cérebro. Hoje em dia vemos que todos os interesses mudaram, o que seria ótimo se tivessem mudado para algo construtivo! Salvas algumas exceções, hoje o que as gravadoras produzem não passam de lixo dispensável que, em menos tempo do que se imagina, cairá no esquecimento. O que mais me impressiona, além da banalidade tratada nas canções, é como o público segue fielmente o que lhes é vomitado. Vale lembrar que, em décadas onde a MÚSICA (vejam bem, a música, não o marketing) era realmente valorizada os temas eram, além de mais vastos, mais interessantes e mais densos, havia uma densidade importantíssima que, a partir dos anos 90, começou a se dissolver e pairar numa banalidade sem sentido.
Se na época da Rita ela já achava que a festa estava arrombada, a coitada deve estar enlouquecendo quando ouve/ vê uns e outros na estirpe da nossa maravilhosa Mulher Melância... aliás, só ela não pois o cenário musical tem se tornado, de uns tempos pra cá, uma grande salada de frutas. O mais trágico é o fato de grupinhos teen ou então grupos "adolescêntes" que se dizem "não-emos" ganham tamanha expansão não pela música que, me desculpem aqueles que perdem seus tempos ouvindo, não é boa (isso, claro, comparada a pérolas como
"Mania de Você", por exemplo). Hoje os grupos simplesmente aparecem, é só ter um "estilo" diferente que é igual ao de todo mundo, ter uma musiquinha banal que faça sucesso nas rádios deste nosso saudoso país e, claro, ter um marketing... ter fãs que admirem não sua música, mas sim o seu estilo descolado que é igual ao de todo mundo (não é NX Zero, Fresno e por aí vai?), ou melhor, que sejam pessoas simpáticas (não é dona Cláudia Leitte?). A importância hoje em dia é o marketing, o quanto o produto vende pela imagem que transmite, vide, por exemplo, a boa cantora, porém vendida ao mercado Mallu Magalhães. A garota tem uma voz gostosa quando canta, mas é vendida ao mercado, nem bem começou e já começou mal. A imagem de tapada que ela passa é a mais insuportável existente, mas há quem compre! Claro que não estou generalizando, nem tudo hoje em dia está perdido. O Brasil é o cenário musical perfeito para o nascimento de novos talentos, cantoras boas sobre tudo. Vide as maravilhosas Roberta Sá, Mariana Aydar, Céu... Compositores então, surgiram ótimos como o grande Pedro Luís, o Renato Maranhão e por aí vão. Pena que o espaço dado a eles se restringe apenas às pessoas que, agora, viraram minoria... os inteligentes.

"Ai, ai, meu Deus, o que foi que aconteceu com a cabeça da população brasileira? Porcaria é sucesso nacional, o povo bom vive se dando mal, eu não quero mais presenciar essa besteira!"

4 comentários:

str4nho disse...

olá..
nesse negócio de premio Dardos, acabei chegando no seu blog.
estava lendo o texto..
minha opinião é que se por enquanto o cenário está uma porcaria, eu espero que isso venha a mudar no futuro, pois a massa sempre vai atrás dos que tem personalidade e opinião...
Muitas pessoas estão ficando revoltadas com o cenário musical brasileiro, eu sou do norte do pais e se você acha que calypso é ruim??
se acha, quando chegasse aqui em belém ia mudar de idéia pq as musicas que fazem sucesso por aqui são beemmm piores..

a cultura local paraense tem história e essa história estava sendo perdida..

digo que a minha esperança não morre, pois estava dando aula para uma turminha de gente grande pequena..
fiquei feliz quando vi que a musica que alguns deles escutavam eram musicas boas de ouvir.. musica de verdade..
musica com hamonia e letra...

bom vou parando por aqui, pois se não vou fazer um texto grande de mais.. se é que já não está =)
um abraço

Jô disse...

Belo post Bruno.

Realmente já me perguntei o que é que aconteceu com a música...
Mas fico sem resposta...
Sou da Bahia, onde hj vc encontra um mercado fonográfico hiper porcalhento...
Não vou ser hipócrita, de dizer que não curto axé, até pq como disse o meu professor de filosofia "o ritmo está no sangue,somos latinos", e existem letras até legais...
Mas o que me irrita aqui é o lance do pagode.Letras que acabam com a reputação da mulher, isolam as minorias e principalmente formam a mente de muitos adolescentes de uma forma bastante errada, insinuando violência, preconceito e por aí vai...
Eu espero que as pessoas acordem e vejam que o que há de bom está se perdendo, se esgotando...só espero que não seja muito tarde,pois será "o fim da vivência e o ínicio da sobrevivência", só não sei de que!

Um abraço!

Sucesso

Anônimo disse...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.

Anônimo disse...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.