quarta-feira, 15 de outubro de 2008

David apresenta naturalmente repertório inseguro.


Opinião de show
Título: David Osher
Artista: David Osher
Local: Teatro Viga Velha – São Paulo
Data: 12 de outubro
Cotação: ****


“Vocês sabem que eu falo pouco, não é? Mas hoje eu quero extrapolar”, brincou David Osher na última das três apresentações de sua temporada no Teatro Viga Velha, em São Paulo. Realmente, David fala muito pouco em cena, porém quando se põe a cantar consegue conquistar seu público que lotou o pequeno teatro para ver o cantor, que não lança um novo disco desde Olho Nu (2005).
David abriu o show com
“Caminhos Cruzados” (bela parceria de Cárdia e Hélio Hamilton), já deixando boa impressão ao público que, ao final da canção, ovacionou o cantor por minutos longos e interruptos. “Não sei se vocês notaram, mas eu errei a letra, mas tem problema?” perguntou, maroto, ao errar a letra de “Som de Morrer” (canção de seu primeiro belo disco D Mais – 1999), realmente ninguém percebeu e, se percebeu, não se importou ao ouvir a voz do cantor entoando, com sotaque americano, a música “Fly me to the Moon”. Foi também brilhante a incursão pelo repertório de Madonna, David deu novas nuances à “You’ll See” (canção lançada pela diva do pop em seu disco Something to Remember). Mas nem tudo foram flores no show, apesar de natural David parecia inseguro, e a insegurança foi tamanha que o cantor mal conseguiu entoar os primeiros versos de “O Meu Samba Torto”, ou na (infeliz) excursão pelo repertório de Ana Carolina, onde reviveu “Dadivosa” em tom (até) chato. Mas são pequenos detalhes, detalhes esses que desaparecem quando David resolve dispensar a banda (formada pelo teclado de Ana Beatriz Felix, a guitarra de Giovanni Garcia, bateria e Luisinho e o baixo de Guga Martins) e assumir, sozinho em cena, seu violão para entoar belas canções, como “Sentado a Beira do Caminho”, “Secret”, “Rosa Morena”, “Olha Você” e “Se Deus me Ouvisse”.
“Eu sei que vocês não gostam muito de ouvir músicas novas, mas prometo a vocês, essa é bonitinha e é a única do show”, e, brincando, apresentou a canção inédita “Se eu Soubesse”, a bela parceria do cantor com a compositora Letícia Saz.
David encerrou o show ao som da contagiante “Missão”, canção gravada pelo cantor em seu terceiro disco Garoto (2001).
Enfim, inseguro ou natural, David continua com o mesmo brilho de seus áureos tempos. Vale conferir.

Um comentário:

paulatopotodas disse...

Nossa, faz tempo que eu não assisto a um show dele... ele não vem mais pra Salvador, o único que eu assisti foi o da gravação do especial "Olho Vivo".