terça-feira, 5 de julho de 2011

Paris 6 e Paris 6 Café: O nome fala por si só!


Não sou crítico culinário, muito menos um grande entendedor do assunto. Sequer sou um daqueles loucos por comida, que ama comer. Às vezes até esqueço de almoçar ou não tomo café da manhã. Mas eu precisava, eu sentia a necessidade de fazer um texto tratando de um restaurante, um bistrô parisiense situado em São Paulo, na Haddock Lobo, uma rua acima da Augusta. O Paris 6. Mas na verdade não falarei do Paris 6, mas sim da cria recém nascida, o Paris 6 Café. Sou um cliente até assíduo no Paris 6, mas em seu Café eu ainda era um estranho no ninho. Aceitando um convite de Isaac Azar, o dono do bistrô, fui jantar acompanhado de minha querida maninha Beatriz Felix. Só o que tenho a dizer é: às vezes o céu vem tão depressa... Bia e eu jantamos deliciosos pratos a base de crepe. Eu comi um crepe com recheio de camarão e molho de queijo acompanhado de alfaces e tomates cereja. Na sobremesa ela e eu pedimos mais um crepe, este doce, de laranja com lascas de coco e sorvete. Ao final ainda tomamos um café, ela um chocolate, eu um café que nem gosto de me lembrar o que tinha para que a culpa não venha tão rápido. O fato é que o Paris 6 atingiu tamanha excelência que é impossível sair de lá sentindo-se culpado por ter abusado da dieta. Você sai de lá com a consciência limpa, com vontade de voltar e dizer: possua-me prato delicioso! São pratos para se comer rezando... rezando para que nunca acabem! Ainda pensamos em tomar uma taça de vinho, mas se o fizéssemos não sairíamos mais. O atendimento é um dos pontos altos do restaurante. Além de um cardápio mais que saboroso, o atendimento é divino. Já fui a muitos restaurantes em São Paulo e em nenhum fui tão bem tratado quanto neste! Um atendimento atencioso sempre em busca do melhor para os clientes. Comidas servidas com classe e destreza, um sorriso na face e sempre um bom comentário sobre o cardápio. Isso me deixou mais feliz. A começar pela entrada, onde um rapaz simpático abre a porta e lhe recebe com um espontâneo “boa noite”, igualmente repetido pelo maître que nos acomoda em mesas que se dividem em cadeiras e um sofá aconchegante. As pinturas que embelezam o local e a música ambiente apenas ressaltam o bom gosto. O bistrô é parisiense, mas tenho minhas dúvidas se em Paris eu teria tanto gosto de estar ali, saboreando um prato que leva o nome do ator Bruno Gagliasso e morrendo de vontade de experimentar um mousse que leva o nome de Renata Ricci, mas que, para meu azar, havia acabado. Acontece nas melhores famílias. O fato é que o Paris 6 tornou-se meu restaurante favorito. Já não me vejo jantando em nenhum outro lugar que não seja nesta delícia parisiense com rosto cosmopolita paulistano. Não entendo de estrelas quanto a restaurantes ou gastronomia, mas se minha opinião vale de alguma coisa dou todas as estrelas possíveis. Na minha concepção o Paris 6 e o Paris 6 Café fazem parte do melhor de São Paulo. E que a dieta me esqueça daqui pra frente, porque eu não sinto mais culpa nenhuma! Paris 6: Rua Haddock Lobo, 1240, Jardins – Zona Sul da Capital Paulista.

* Vale ressaltar no entanto que os pratos têm um preço variável entre o acessível e o nem tanto. Mas vale fazer uma ou outra extravagância quando possível. Afinal de contas se há pessoas capazes de pagar mais de R$ 200,00 num tênis é bom que existam pessoas que sejam capazes de pagar em torno de R$ 100,00 num jantar completo que fará de sua noite uma das noites mais brilhantes de sua vida. Acredite, o paladar sente a diferença.

Um comentário:

Beatriz disse...

Bruninho já disse tudo e eu assino embaixo!

Vale a pena conferir (: